Pesquisar no site

 

Renato Teixeira

A demanda do jornalismo crítico

  • Nome: Carlos Renato Lima Maia Teixeira
  • Nascimento:Outubro 1979, Coimbra
  • Habilitações académicas: Licenciatura em Jornalismo (Faculdade Letras, Universidade de Coimbra, 2006)
  • Situação e estatuto profissional: Estagiário na revista Focus; TP 418
  • Órgãos de comunicação social onde trabalhou:Público (três meses de estágio curricular)
  • Data em que se iniciou na profissão:2007
  • Profissão dos pais: Pai – Médico; Mãe – Médica

Quando temos esta conversa, Renato Teixeira é o estagiário de jornalismo com o título profissional provisório mais recente. É o mais novo membro do grupo profissional dos jornalistas portugueses. Este foi o motivo da sua escolha para ser entrevistado. Contudo haveria outras razões a justificarem que fosse escolhido, como descobriremos.
Renato Teixeira chegou ao jornalismo por opção política e profissional. Ou seja, escolheu uma profissão que crê lhe possibilitará continuar a desenvolver a militância política e social. Não vê nisso incompatibilidade e explica porquê, nesta conversa e, mais detalhadamente, num livro que publicou recentemente, Os Ardinas da Mentira.
Após concluir o ensino secundário viajou dois meses à descoberta da América Latina e a descobrir-se. Voltou à Coimbra natal convicto de que o jornalismo era a opção de vida. Ingressou no respectivo curso, na Universidade de Coimbra, foi colaborando na imprensa universitária e fez o estágio curricular no diário Público. Uma experiência que lhe reforçou a convicção da necessidade de um jornalismo alternativo ao que é praticado na generalidade das redacções participantes no sistema dos media.
Estagia há três meses na redacção da Focus e, por enquanto, a experiência está a ser positiva. Mas não se vê ali, a fazer carreira. Aliás, nem em nenhuma outra redacção. O jornalismo freelance continua no seu horizonte, em busca da prática de um jornalismo crítico.


Data da entrevista: Julho 2007

José Luis Fernandes