Pesquisar no site

 

Faseamento do projecto

Em Outubro de 2005, mês de início do projecto, procedeu-se ao reconhecimento do objecto de estudo, o que implicou a reflexão e o debate, pelos membros do grupo, em torno da definição do estatuto socioprofissional dos jornalistas.

A definição da metodologia, a identificação dos indicadores pertinentes e dos cruzamentos estatísticos possíveis, ocuparam os primeiros meses da investigação . Também nesse período, estabeleceram-se contactos com as instituições signatárias dos protocolos de colaboração (Sindicato dos Jornalistas e Comissão da Carteira Profissional dos Jornalistas) e reconheceram-se os dados disponíveis.

Seguiu-se uma primeira análise comparativa dos resultados obtidos em dois inquéritos à profissão realizados, sob a égide do Sindicato de Jornalistas, em 1990 e 1997, coordenados, respectivamente, por José Manuel Paquete de Oliveira e por José Luís Garcia.

Seleccionaram-se as ferramentas informáticas mais adequadas aos fins em vista.

Definiram-se os perfis-tipo que, teoricamente, compõem o grupo socioprofissional dos jornalistas e escolheram-se os jornalistas a entrevistar em função dos tipos previamente definidos. Tal tarefa implicou uma primeira incursão na história recente do jornalismo português , assim como conhecimentos empíricos do meio, trazidos para o projecto pelos próprios investigadores.

Partilharam-se referências bibliográficas e realizaram-se leituras exploratórias de obras de autores portugueses e estrangeiros sobre inquéritos e abordagens semelhantes, particularmente as levadas a cabo junto de jornalistas franceses por um grupo de investigadores coordenado por Rémy Rieffel .

Em Fevereiro de 2006, José Rebelo exerceu as funções de professor convidado no Instituto Francês de Imprensa, da Universidade de Paris II, assim como no Departamento de Jornalismo da Universidade de Sevilha. Em conferências realizadas nas duas Universidades, apresentou as características gerais do projecto e os resultados já obtidos. O mesmo se passou num congresso internacional, organizado pela UNESCO e pela Fundação da Biblioteca Nacional do Brasil que teve lugar no Rio de Janeiro, em Junho do mesmo ano.

Ainda em Maio, conseguiu-se um apoio financeiro, junto do ISCTE, para trazer a Lisboa Rémy Rieffel que participou em dois workshops com os investigadores portugueses e pronunciou uma conferência, no ISCTE, sobre «A Mediatização da Política». Nos worshops, debateram-se as metodologias e as estratégias de abordagem ao objecto “jornalistas”. Foram focadas as conclusões relativas ao estudo sobre os jornalistas franceses assim como algumas indicações já perceptíveis no que respeita ao universo dos jornalistas em Portugal.

Durante a sua presença em Lisboa, Rémy Rieffel foi entrevistado por alguns meios de comunicação social, o que originou referências à investigação em curso em Portugal, nomeadamente na revista Visão e nos jornais Público e Jornal de Negócios.

Em Outubro de 2006 os investigadores iniciaram a realização das entrevistas, a sua transcrição e edição, de acordo com as regras definidas pelo coordenador do projecto .

Em Julho de 2007, os investigadores reuniram-se durante dois dias num seminário que teve por objectivo: cotejar as entrevistas já efectuadas (47 de um total de 56); e analisar os dados fornecidos pela Comissão da Carteira Profissional dos Jornalistas e pelo Sindicato dos Jornalistas.

De Setembro 2007 a Maio de 2008, concluíram-se as entrevistas e respectiva edição, procedeu-se ao processamento dos dados e aos cruzamentos julgados adequados (aplicação do programa SPSS).

Em Junho, a investigação sobre «O Perfil Sociológico dos Jornalistas Portugueses» era dada por concluída e os objectivos constantes do projecto largamente ultrapassados.

Em Setembro de 2008, os investigadores reuniram-se em seminário uma última vez para discutir e aprovar as conclusões quantitativas e qualitativas e tomar decisões quanto à eventual edição do estudo, quanto à construção de uma página na Internet susceptível de receber todo o material compilado e quanto à proposta do Sindicato de Jornalistas de organizar uma série de debates sobre o tema.